Chianca de Garcia



Nome completo: Eduardo Augusto Chianca da Silva Garcia

Nasceu: 1898-05-14 · Morreu: 1983-01-28

Local de nascimento: Lisboa
Local de óbito: Rio de Janeiro
Sítio internet: https://www.youtube.com/watch?v=D63KrczhtfM
Dados adicionais:

Foi jornalista, escritor, autor de peças de teatro e realizador. Em 1928, com António Lopes Ribeiro, fundou a 1ª série da revista Imagem, da qual, mais tarde, viria a ser director.
Como representante da imprensa cinematográfica, fez parte da Comissão que em 1930 estudou e apresentou ao Ministério do Interior (Inspecção-Geral dos Espectáculos) a proposta de criação de um estúdio para a produção de fonofilmes e para a resolução do “problema cinematográfico nacional”. Foi um dos fundadores da Tobis.
Em 1939, partiu para o Brasil, onde prosseguiu a carreira de realizador durante algum tempo.
“Figura um pouco mítica do cinema português pelo grande êxito de um filme «de saloios» (Aldeia da Roupa Branca) seguida de um exílio no Brasil que se prolongou até 1983.
Jornalista, crítico, dramaturgo e encenador, estreando-se no cinema ainda no tempo do mudo, os pressupostos desse seu filme arrancam provavelmente da sua supervisão do famoso A Canção de Lisboa, de Cottinelli Telmo: funciona em pleno a mesma «fórmula» (social e geograficamente adaptada), proporcionando novo triunfo à incansável Beatriz Costa.
Realiza posteriormente, dois filmes no Brasil e mantém, durante anos, presença constante no Diário de Lisboa através de uma inteligente coluna.”
[M. M. L., in Dicionário dos Cineastas]

  • 201709111039_cinept_licenciatura_em_cinema_260_260
  • PUB