Armando de Miranda



Nasceu: 1904-11-16

Local de nascimento: Portimão
Local de óbito: Rio de Janeiro, Brasil - 1975
Nacionalidade: Português
Dados adicionais:

Realizador e Produtor, foi também empregado bancário, jornalista, crítico de cinema, poeta, assistente de realização e argumentista.
No começo dos anos 20 fixa-se em Lisboa onde trabalha como funcionário bancário. Aqui fundou e dirigiu, durante cerca de um ano, o jornal «Diário do Algarve». Como poeta escreveu «Varanda de Lisboa» e «Cantigas que ninguém canta».
Em 1930 fundou e dirigiu o semanário «Espectáculo».
Iniciou a carreira no cinema como realizador de documentários e a partir de 1940, com a longa-metragem de ficção «Pão Nosso», “tornou-se o mais activo e operoso dos nossos realizadores”. “Orientou-se primordialmente no sentido do filme popular, sem ter, aliás, qualquer preocupação de ordem estética”.
“Inicialmente crítico e jornalista, este realizador medíocre é, no entanto, autor do maior êxito comercial de sempre do cinema português: um melodrama rotineiro, de ambiente e mítica coimbrões, intitulado Capas Negras, que deve esse lugar de destaque fundamentalmente à presença, no elenco, de Amália Rodrigues, então no momento mais forte da sua ascensão a supervedeta. Contudo, nem este êxito nem o do anterior José do Telhado se repetem e Miranda escolhe partir para o Brasil em 1949, onde permanece até falecer, com um episódico regresso a Portugal (1959) para rodar uma espécie de co-produção de baixíssima qualidade.”
[Manuel Machado da Luz]

Participações [#88]

  • 201709111039_cinept_mestrado_em_cinema_260_260
  • PUB