Contra-Campos (2012)

Documentário   Experimental  

Realização:  ·  Jorge Quintela  ·  Tiago Afonso

O Ciclo "Improvisações/Colaborações", um programa de artes performativas, cinema e artes visuais, apresentado em 2012 pela Fundação de Serralves e partilhado por diversos parceiros culturais, fundamentou-se na contextualização histórica do papel da improvisação e no espírito de colaboração entre artistas ao longo do último século, reconhecíveis em práticas artísticas que procuravam novos valores de liberdade, de democraticidade e de espontaneidade.
Estes valores reflectiram-se e/ou foram alvo de reflexão nas novas criações e produções especificamente concebidas no contexto deste ciclo. Constituíram-se tónica para os desafios lançados a numerosos artistas e criadores, possibilitando influências recíprocas e a partilha dos contributos de cada uma das áreas envolvidas e a hibridação das mesmas.
Este filme nasce desta e nesta experiência de programação e duma observação particular dos dispositivos e contributos criativos que a integraram, ocupando um lugar indefinido entre a exterioridade e a inclusão.

Tomando como rumo incerto o mote do ciclo IMPROVISAÇÕES/COLABORAÇÕES, dois cineastas
envolvem-se numa parceria de realização, obrigando-se a descobrir e acompanhar os momentos
de experimentação e construção desse mesmo ciclo sem recorrer a dispositivos de registo
pré-formatados. Nem exaustivo, nem exterior à aventura dos artistas filmados, CONTRA-CAMPOS
pretende não apenas perspectivar modos de fraternidade e liberdade que advêm da abertura à
co-criação, como também reflectir, através da busca de pontos de vista dialogantes - em
contra-campo - acerca de um "género" pouco teorizado na história das imagens em movimentos:
o registo de processo de pesquisa artística e da sua apresentação enquanto objectos espectaculares.
Os cineastas tentaram ocupar o lugar improvável e utópico de espectadores (altamente) participantes.
Este é o rasto de uma experiência que também os transformou. Porém, ao contrário dos produtos
puramente performativos, um filme é um objecto montado e como tal, tenta abraçar e abarcar a
atitude interrogante, o questionamento interno de si através de si...
[Fonte: http://blitz.sapo.pt/]

Mais informações: Website externo

Videos [#1]:
  • Entrevista com Tiago Afonso [Promo]
Equipa

Imagens [#2]:
  • ...

  • 201709111039_cinept_licenciatura_em_cinema_260_260
  • PUB