As Contas do Morto (2001)

Ficção  

Realização:  ·  Rita Nunes

A história passa-se numa aldeia próxima de Ponte de Lima, nos dias de hoje.

Domingos, marido de Deolinda (um casal de sessenta anos) prometeu a Lurdes um terço da herança. Porém morre antes de poder cumprir a sua promessa.

Deolinda, a viúva, não respeita a sua vontade e por esta razão, Lurdes, que é apenas criada, decide dirigir-se a uma conceituada "bruxa" que mora nas redondezas. Mercedes, a "bruxa", compromete-se a ajudá-la em troca de uma percentagem.

Numa noite de trovoada, a alma de Domingos parece atormentar Deolinda e esta convence-se que será então aconselhável que uma perita na matéria a ajude a perceber o que se passa com a alma penada de Domingos.

Mercedes desloca-se a casa de Deolinda e eis senão quando, durante a sessão paranormal, Domingos surge, encarnado por Mercedes que se transfigura completamente. Deolinda cai redonda no chão e é Lurdes que a informa mais tarde, que terão que estar presentes no cemitério na terça feira seguinte, pela meia noite, a fim de descobrirem o que Domingos tem para revelar.

É aqui que surge Lina, a sobrinha de Deolinda, que mora no Porto e se revela bastante céptica relativamente a estas estranhas actividades, que além do mais põem em causa o seu futuro como única e legítima herdeira de domingos e Deolinda.

Os preparativos para a noite em que o defunto deverá revelar a sua vontade estão em curso: Chico, o ajudante/amante de Mercedes já está no cemitério e escava um sulco por onde uma mangueira deverá passar e que servirá de condutor da voz do falecido até ao jazigo. Mercedes, Lurdes e Deolinda, encontram-se na casa desta última, a jantar e fazem um pouco de tempo antes de irem para o cemitério.

É chegado o momento - as três mulheres estão junto da campa de Domingos e o que elas não sabem é que a GNR está pronta a intervir, avisada por Lina.

No preciso momento em que Domingos se começa a manifestar, por intermédio de Chico e da mangueira, surgem os agentes e põem cobro a toda esta farsa.

Já na esquadra, está Deolinda ainda incrédula, Chico apático, Lurdes furiosa, Mercedes ainda mais e Lina contente por tudo se ter resolvido. A troca de palavras entre esta, a "bruxa" e Lurdes é bastante dura, mas ainda assim Lina sai triunfante.

No regresso a casa, ao conduzir a sua viatura, já a noite vai longa, Lina avista um vulto que se passeia pela berma da estrada, e quando detém o olhar sobre tal misteriosa figura, não tem tempo para dominar o carro quando se apercebe que é... Domingos!!

Como resultado desta distracção, Lina perde totalmente o controlo e o carro despista-se, indo embater com violência numa árvore.

(Fonte: Madragoa Filmes)

Equipa

  • 201709111039_cinept_mestrado_em_cinema_260_260
  • PUB